terça-feira, 7 de junho de 2016

Pacific Coast Highway: uma das estradas mais cênicas do mundo


Depois de alguns dias maravilhosos em San Francisco era hora de seguirmos em direção a Los Angeles/Santa Mônica. Mas o destino, nesse caso, era o que menos importava. O grande objetivo era percorrer a Highway 1, considerada uma das estradas mais cênicas do mundo.
 
A Highway 1, também conhecida como Pacific Coast Highway, não é a única estrada que liga as cidades nem a mais rápida, mas com certeza é a mais bonita. Por ela, o google marca 730 km de distância entre SF e LA. Na prática, a rota oferece tantos atrativos e paradas em cidadezinhas apaixonantes que dedicar apenas 1 dia a ela se torna humanamente impossível. Uma pesquisa rápida na blogosfera mostrava diversos relatos de viagem com 2, 3 ou mais dias dedicados à região. Durante o nosso planejamento a ideia inicial era seguir um roteiro amplo de 3 dias, mas como fomos encaixando mais dias em outras cidades do EUA sobraram apenas 2 dias disponíveis. Parecia pouco (e realmente o trajeto merecia mais), mas era julho e o sol se punha por volta de 22h. Então tínhamos praticamente o dia inteiro para nos divertirmos no trajeto.

Abaixo a gente conta tudo o que conhecemos nessa parte da nossa incrível roadtrip. Também deu para ver muita coisa e ser feliz com tão pouco tempo disponível.

1º dia

O início da viagem começou com o tempo de "mal humor". Não era um bom sinal, mas pelo menos a primeira parte do trajeto até Monterey era a “menos importante”.

Monterey

Parada obrigatória, Monterey é uma cidadezinha cuja principal atração é o seu aquário, considerado o melhor e mais completo do mundo. Não somos experts no assunto, mas o Monterey Bay Aquarium é atração com “A” maiúsculo para qualquer idade. Tudo funciona perfeitamente: desde a grandiosidade das instalações e a diversidade de animais até o excelente serviço prestado pelos funcionários que são mega bem treinados e prestativos.

A seção do aquário que achamos mais fantástica foi a ala dos invertebrados. Ali, o balé das águas-vivas é algo lindo de se ver! O tanque de animais oceânicos é outra maravilha. Nunca tínhamos visto um tão grande e com tantos animais naturais de águas profundas, como tubarões e atuns.

O aquário é realmente impressionante e há várias outras seções que merecem destaque. Não é todo dia que podemos ver reunidos em um só lugar tantos peixes, baleias, pinguins, leões marinhos, lontras, polvos e lulas gigantes. Tudo distribuído de forma interativa e apaixonante.


17-Mile Drive

Encerrado o momento “voltando a ser criança” do dia, seguimos viagem para conhecer um pedacinho abençoado da Califórnia. Trata-se da 17-Mile Drive, uma estrada de 27 km cercada de praias e muito verde, que liga o bairro Pacific Grove, em Monterey a Carmel. A estrada tem acesso restrito com cancelas na entrada e saída e exige o pagamento de US$10,00 para o passeio. Foi um dos pontos altos da viagem.


Carmel-by-the-Sea

Conhecida apenas como Carmel, essa é disparada a cidadezinha mais simpática do percurso. Não à toa foi onde escolhemos pernoitar. E não podíamos ter feito escolha melhor para terminar o dia: passamos momentos agradáveis caminhando pelas ruazinhas trazidas diretamente de algum lugar da Europa. Os restaurantes e lojinhas são um charme e completam o cenário idílico.

O hotel escolhido, o Carmel Oaks, foi uma das hospedagens mais adoráveis da viagem. Com um clima de pousadinha gostosa, até o café da manhã surpreendeu: foi servido em uma cesta de piquenique no quarto. Tinha como pedir mais?


2º dia

Big Sur

O trecho de cerca de 140 km entre Carmel e San Simeon conhecido como Big Sur é considerado o mais cênico e selvagem da Highway 1 e tinha que ser feito com calma. Sempre com o oceano Pacífico de plano de fundo, uma sucessão de imagens de tirar o fôlego e inúmeras possibilidades de parada entraram em cena. Os principais pontos são os dois mirantes da Bixby Bridge (logo no início da Big Sur) e o Julia Pfeiffeir Burns State Park. Neste parque, uma pequena caminhada leva a um mirante com vista para a cachoeira Mcway que desemboca em uma praia paradisíaca. A paisagem é diferente e encantadora.



Elephant Seal Vista Point

Um pouquinho mais adiante, esse mirante na praia de Piedras Blancas merece destaque por permitir chegar pertinho de enormes elefantes marinhos. Conseguimos ver dezenas deles brincando e tomando sol. A gente adora esses momentos Animal Planet. :)

Dentre as inúmeras possibilidades do percurso, ao final da Big Sur caberia uma ida à cidade de San Luis Obispo para visitarmos o Hearst Castle. É o que muitos turistas fazem e parece ser uma excelente ideia, mas como estávamos com o horário apertado, resolvemos pular essa parada.

video video

Solvang

Seguindo pela estrada, resolvemos fazer um pequeno desvio para conhecer mais uma cidade fofinha do roteiro. Solvang foi colonizada por dinamarqueses e apresenta a arquitetura típica do país europeu. As inúmeras lojinhas e restaurantes simpáticos e a chance de ver um moinho de vento de perto valem a parada, mas achamos que, ao contrário de Carmel, não há necessidade de uma visita mais demorada que 2 horas.


Santa Bárbara

Mais alguns quilômetros e chegamos em Santa Bárbara. Uma das pérolas da Califórnia, a cidade parece uma San Francisco em miniatura: lindas casinhas coloridas (similares às da área de Fisherman’s Wharf & North Beach) e clima descontraído. Demos uma volta pela cidade, fomos à praia e tentamos entrar na Missão Santa Bárbara que infelizmente já tinha fechado.



Estava ficando tarde e não tínhamos muito tempo antes que escurecesse. Como ainda faltavam 150 km até Santa Mônica, decidimos pegar logo a estrada novamente.

Chegamos em Santa Mônica já depois de 22h. Era hora de nos despedirmos da Highway 1. Restaram na memória as imagens marcantes de uma das rodovias mais surpreendentes que já percorremos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário